quinta-feira, 10 de julho de 2008

Relato do parto da Eduarda


Quando fiquei grávida de minha primeira filha comecei de imediato a pesquisar na internet a melhor maneira possível para realizar o parto de minha pequena. Entrei em vários grupos e listas, pesquisei vários sites e foruns e encontrei opiniões muito distintas por aí. Em um desses grupos encontrei muitos argumentos convincentes e apartir daí iniciei meus estudos sobre o assunto.

O parto normal, ou melhor dizendo, natural era defendido com unhas e dentes por médicos, enfermeiras e muitas mulheres desse grupo e a cada novo tópico eu me convencia mais e mais de que poderia ser bom pra mim e para minha filha.

A maioria defendia o parto natural em casa ou em casas de parto, sem nem mesmo o acompanhamento de um hospital com pronto socorro, uti e tudo mais, mas parecia bem seguro e os depoimentos eram bem leves e alegres.

Decidi ter minha filha assim, mas como o dinheiro não é pra todos fui para um hospital público, onde fiz todo meu pré-natal e onde fui para ter minha pequena assim que começaram as contrações.

Tive um parto muito traumatizante pra mim e para minha filha, passei mais de 24 horas em sofrimento e o pediatra disse depois que minha bebe também já havia entrado em sofrimento há mais de 4 horas antes de nascer em uma cesária de urgência. Eu tive uma forte hemorragia logo após o parto e perdi sangue durante toda a noite pois as enfermeiras são treinadas para deixar a mãe se recuperar normalmente. Só viram a gravidade da situação pela manhã e eu já estava praticamente sem forças pra nada.

Minha filha nasceu com dois hematomas na cabecinha de tanto tempo que ficou em posição para nascer, tinha o narizinho completamente torto pois estava encaixada demais e por mais tempo que o normal, ela ficou sem respirar por vários minutos e teve que ser entubada e ir direto para a UTI do hospital... eu nem ao menos pude segura-la na primeira noite, só no outro dia e depois de me recuperar com soro nos dois braços... toda a família ficou em desespero e meu marido que acompanhou tudo estava acabado e sem forças para mais nada.

O que acontece é que o parto natural é bom sim, mas SEMPRE deve ser acompanhado o tempo TODO por um médico de sua confiança. Os hospitais públicos compraram a idéia de parto natural mas não possuem a estrutura adequada para esse tipo de parto. Na maioria das vezes as mães ficam entregues a própria sorte, sem acompanhamento médico e apenas com enfermeiras observando a cada 2 ou 3 horas o andamento das contrações. E mesmo quando o parto não está sendo natural eles forçam isso e tornam o momento triste e angustiante.

Quando eu praticamente surtei e implorei para o médico uma anestesia já estava com dores a mais de 26 horas e percebia que algo estava errado. A enfermeira só falava que era assim mesmo e o médico nem aparecia no quarto.

Ele só veio pois eu saí para o corredor nua e desesperada e implorando ajuda. Quando chegamos na sala de cirurgia ele ainda me disse que não se responsabilizava pela anestesia pois ela tiraria minhas forças e talvez o bebe tivesse problemas para nascer.

Depois de anestesiada eu me sentia mais forte e conseguia fazer força mas aí ele ouviu o coração do bebe na minha barriga e percebeu que estava fraquinho.

Entre esse último fato e eles abrirem minha barriga numa cesária de urgência foram exatos 7 minutos. Dava pra ver no rosto do médico o desespero de tirar logo minha filha lá de dentro. Acho que foi somente nesse momento que ele percebeu que tinha esperado demais.

Ela nasceu sem respirtar e toda molinha, não se movimentava nem chorava... eu entrei em panico e meu marido só chorava, achei que tinha perdido minha pequena.

O pediatra foi o nosso anjo da guarda, empurrou todos pra longe, entubou ela e conseguiu fazer com que ela respirasse mas mesmo assim correram com ela para a UTI.

No final tudo deu certo, ela não teve nenhuma sequela pela falta de oxigenação e hoje tem quase dois aninhos, fala, corre, dança e é muito esperta graças a Deus.

Só estou contando aqui isso tupo pois acho importante alertar mulheres que como eu acreditam na facilidade de um parto natural... pra essas mulheres eu digo que nem todo parto pode ser normal, em alguns casos como o meu a cesária é a única opção, minha filha não nasceria de parto normal e se eu teimasse nisso iria perde-la.

Parto natural é aquele em que tudo caminha naturalmente e acontece conforme o normal, quando percebemos que está passando do tempo, quando notamos que não conseguimos mais ou que está algo estranho devemos sim ir para a cirurgia. Isso não nos faz menos mulher nem menos mãe.

Acreditem em mim, não vale a pena perder um filho só para dizer que teve um parto natural.

Cuidado com os relatos que encontram por ai... muitos partos podem ser bem tranquilos e faceis mas esse pode ou não ser o seu caso e se não for você deverá estar em um bom hospital e com um médico responsável ao seu lado o tempo todo.

Exija que escutem o coração de seu bebe no máximo a cada 1 hora, não permita que tomem as decisões por você. Você tem direito a anestesia e a remédios para dor... faça valer seus direitos e não transforme um momento que seria de alegria em um momento de dor e desespero.

Eu agradeço a Deus por minha pequena Eduarda ter sobrevivido a tudo isso e sempre que olho pra ele tenho a certeza de que ela é e sempre será uma sobrevivente e uma lutadora !

Pesquisem, leiam, se informem e não deixem de exigir seus direitos esteja onde estiver. Mas eu aconselho... se tiver o mínimo possível de condições... paguem o parto... os hospitais públicos não tem a menor estrutura para dar a uma mulher um parto agradável e bonito de ser lembrado.

Depois eu conto pra vcs o parto de minha caçulinha Carolina... esse foi maravilhoso e será lindo de se ler ! Foi uma cesária com hora marcada, foi lindo, tranquilo e ela nasceu forte e esperta !


Beijos a todos

Um comentário:

Janif Costa disse...

Nossa Paula lendo o seu relato me imaginei. Foi exatamente como aconteceu comigo, sendo que o meu final infelizmente não foi feliz. Tb não pude pegar a minha filha no colo pq a levaram as pressas para a uti, e no dia seguinte qdo pudia me levantar pra ir ao encontro dela recebi a notícia que havia falecido e foi qdo a conheci, já sem vida. Hoje eu e meu marido tentamos confortar o nosso coração, mas em determinados momentos é muito difícil, não tem jeito e a recaída vem, mas Deus há de nos dar forças. Parabéns pela sua filha, ela é linda. Que Deus a abençoe.