terça-feira, 29 de abril de 2014

Cotidiano...

A vida é muito curta, o tempo passa rapidamente e nem percebemos... ficamos presos as obrigações do dia a dia e esquecemos de viver. Um bom emprego, um carro novo, uma pintura na casa, almoço e janta na hora certa, roupa passada pra todas as ocasiões... Temos hora para acordar, hora para comer, dia certo para descansar... Não podemos ver aquele filme no meio da semana, deitar com as crianças no sofá até enjoar, comer batatinha frita no café da tarde. E um dia a vida para e tudo perde a importância... e o que não tem mais importância pesa nas lembranças daquilo que deixamos de fazer. Tudo é incerto e inconstante nessa vida, um dia estamos aqui e no outro podemos ser apenas saudade e memórias... Perceber essa verdade, viver essa verdade e não mudar é impossível... Quando entendemos a fragilidade de tudo ao nosso redor passamos a valorizar mais as pessoas e esquecer as coisas... Não largo o abraço de minhas filhas porque a cama está desarrumada, não me importo se algumas contas venceram, não tem problema se o fim de semana vai ser sem grana... me dou o prazer de sentar ao sol com minhas filhas e olhar elas se sujarem de terra, me permito ficar na cama com meu filhinho olhando ele dormir até as dez da manhã... desligo a internet, nem atendo o telefone, afinal nada é mais importante que isso... hoje eu sei e gostaria de ter percebido antes... E a louça pode estar na pia, e a roupa na máquina, e o trabalho esperando e o dinheiro acabando... que eu não perco meu sorriso... sento com eles no meio da sala e passo o dia brincando de adivinhas com a Duda enquanto a Carol desenha nosso retrato e o Fabinho resmunga no meu colo... Estamos nessa vida para aprender a amar, o amor em sua perfeição é nosso único objetivo... e quando chegar a hora de partir ninguém vai lembrar da gente pelo diploma importante que conseguimos, pelo brilho dos móveis da casa, pela perfeição da arrumação do seu armário... ninguém vai se lembrar das marcas de sua roupa, de quanto você pesava, ninguém vai se lembrar dos dias que você passou naquele trabalho que odiava, ninguém vai se lembrar do seu endereço ou das estrelas no seu talão de cheques... duvido que lembrem das coisas que você guardou, de todas as coisas que você cuidou a vida inteira... mas sei que lembrarão de nós pelo amor que compartilhamos aos nossos... E se um dia eu faltar sei que minhas filhas vão lembrar dessas tardes que passamos juntas, dos filmes que assistimos juntas, das músicas que elas aprenderam enquanto me ouviam cantar... Quero que elas se lembrem das manhãs de domingo em que fazíamos o controle da TV de microfone, dos buracos no jardim que eu deixava elas fazerem, das maquiagens que eles estragaram porque eu não tinha coragem de tirar... Quero que elas achem a minha bagunça e descubram no meio dela um monte de bilhetinhos colados com lantejoulas, quero que peguem minha bolsa e achem no bolso um pedacinho de papel que elas me deram... A vida é muito curta para ser tão organizada... o tempo é curto e para alguns mais curto ainda... Não vamos mais perder tempo julgando, imaginando, esperando... Deixa a louça de lado hoje, esquece a roupa, que se dane o fogão... esconda as contas vencidas em baixo da toalha da mesa e liga uma música, abra as janelas, coloque um chinelo, bagunce o cabelo, role no chão... aproveite as pessoas ao seu redor, aproveite cada segundo ao lado delas... as coisas podem esperar mas as pessoas não... E amanhã pode ser tarde demais para aquele abraço, para montar aquele quebra cabeças, para colorir aquele desenho... para aquele "eu te amo" ... Eu li que ninguém vai embora antes de ensinar o que era preciso ser ensinado... e acho sinceramente que a ida de meus pais tão cedo para o céu me deixou essa grande lição: A vida é curta, aproveite cada segundo, ame o máximo que puder e o resto é apenas o resto, não dê tanta importância a nada que não tenha a capacidade de receber o seu amor!

Nenhum comentário: