sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Oi pai...




Ontem fez 1 ano e 1 mês que vc partiu pai, muito tempo né, tempo demais para nós que te amamos tanto. A saudade não da descanso, é uma constante em minha vida, saudade de você, da mãe... de tempos felizes que passamos juntos... nós três, nós dois, nós duas... uma vida dividida em 3 e multiplicada por 3... Sempre tive essa certeza, essa sensação de proteção que vocês me davam, de que mesmo separados éramos unidos, estávamos juntos... Era tão bom...

Suas lembranças são em mim uma luz, uma brisa suave, seu olhar ainda me acompanha nos momentos difíceis e é em seus braços que eu ainda me refugio quando tudo parece estar ao contrário... Lembro de meus erros, minhas mancadas e você tão doce apenas me olhando e dizendo "eu sei fia"... como que me mostrando que nada importava, que aquele amor era sempre maior e capaz de superar qualquer distância, qualquer ausência... E realmente era, ainda é!

Você partiu, foi para o céu... deve ter encontrado com a mãe por aí, deve ter se preocupado comigo, mas com certeza está em paz, como sempre viveu, como sempre me ensinou a viver... E eu fiquei sozinha por aqui, éramos 3, agora sou só eu de tudo que vivemos, tantas lembranças que agora só vivem em mim... Sou grata por tudo e tenho procurado ser resignada em minha saudade, mas não minto e não nego que tem sido difícil... O que me conforta é só isso, a certeza de que você tá aí, num lugar melhor, mais parecido com você do que esse mundinho mesquinho e pequeno em que vivemos.

Eu imagino você aí em cima, calmo e sereno, tentando convencer a mãe a ficar quieta, tentando convencer ela de que vou me virar por aqui... Duas maneiras tão diferentes de me amar... mas que era suficientes para me preencher completamente... que falta sinto desse amor!

Todos se foram pai, ninguém permaneceu a ausência de vocês, um a um as pessoas foram indo pra longe, seguindo suas vidas... vocês eram o elo que me ligavam ao resto da família... Mas hoje já não me entristeço por isso, acho mesmo que faz parte de nossa história... Éramos só nós 3, sempre fomos e sempre seremos, ninguém nunca seria capaz de entender isso... Fiquei eu por aqui e não tenho a pretensão de fazer com que entendam e acreditem nessa união tão nossa... Melhor assim...

Ainda hoje quando escrevo, não posso conter as lágrimas, ainda hoje quando lembro de tudo que passamos nos últimos meses não consigo aceitar a despedida tão breve... Eu precisava de mais tempo pai, tinha planos para nós dois e precisava tanto ter tido mais tempo... O Fabinho era meu presente, eu desejei ele desde o primeiro instante com o intuito de ter ele perto de você, dividir com você os primeiros dias, os primeiros momentos... Ainda não aceito sua partida sem ter conhecido nosso menino...

Tô com a pastinha verde aqui... nossa pastinha verde... Tão viva nossas lembranças aqui nesses papéis, tão vivo nosso amor e nossa união... Como sou grata por essas lembranças. Obrigada pai!

Sei que daí, agora, tudo ficou claro... quantas indagações minhas já não são de vocês... Recebi seu recado... como precisava daquela resposta! Nunca duvidei que poderia ser diferente, nunca duvidei pai!

Um dia nos encontraremos novamente, seremos nós 3 mais uma vez... Mas enquanto esse dia não chega ficamos juntos aqui, no meu coração, nas minhas lembranças, nesse amor tão puro que sempre nos uniu e ainda nos une!

Obrigada por tudo meu pai, meu querido e amado pai!
Manda um beijo pra mãe... ela também sabe do meu coração e das minhas verdades!

Obrigada por confiarem em mim, por me amarem e me iluminarem com esse amor todos os dias da minha vida!

Saudade sem fim!






Um comentário:

Luma Rosa disse...

Oi, Paula!
As boas lembranças são um afago para a alma. Fica triste não!
Beijus,