quinta-feira, 7 de março de 2013

Caminhando...

Oi mãe... Estou em casa novamente e tudo aqui me lembra você, pra falar a verdade tudo em todo lugar me lembra você... Ontem fiquei arrumando suas coisas e me emocionei tanto com tudo que encontrei... tantas cartinhas que te escrevi, tantos cartões e e-mails e fotografias... Estou me esforçando para fazer tudo certo viu mãe mas ainda não sei direito o que tenho que fazer, vou seguindo meu coração mas as vezes parece que Deus quer algo que eu ainda não consegui ver. O pai não tá bem, recuperou da cirurgia mas vai precisar fazer radioterapia e eu pensei em ficar lá com ele durante o tratamento, assim como ficava com você,mas não tô conseguindo e tive que voltar pra cá e agora fico tentando resolver os problemas por telefone e tenho que ir e voltar toda hora e isso me dá a impressão de que estou falhando com as meninas que vivem na estrada e com as roupas na mala... Eu sei que você me daria uma bronca de ficar pegando estrada todo fim de semana mas também sei que me ajudaria a conseguir resolver tudo, como sempre fazia mesmo quando as coisas pareciam impossíveis de se resolver... Sinto sua falta mãe, nunca imaginei viver sem você, sua presença era tão certa e segura em minha vida que pra mim era como se você fosse eterna... Eu fico lembrando da alegria que você sempre trazia quando chegava, da maneira que tudo se transformava com sua presença... quantas vezes eu estava de mau com o mundo e você chegava sem avisar e mesmo eu ficando irritada logo a gente estava rindo de alguma coisa e as meninas sorrindo pela casa e a gente ia pra chácara ligava o som e logo o sábado estava mais alegre... Fico lembrando das nossas conversas, horas e horas no telefone, na internet, sempre dividindo tudo, contando tudo uma pra outra... Acho que eramos como irmãs, vivíamos tudo juntas, aprendemos tantas coisas juntas, crescemos juntas, brigávamos como irmãs e esquecíamos as brigas como irmãs... mas fora essa amizade que tínhamos você era também a minha mãe, a mãe mais presente que poderia existir, que me ajudava em tudo, que transformava minha vida, que realizava os meus sonhos e desejos, que fazia de tudo para que a vida fosse mais leve e bonita pra mim... Quando eu achava que as coisas não tinham solução você se fazia presente e dava um jeitinho pra tudo, mesmo que pra isso precisasse abrir mão de seus próprios desejos. Você passou a vida toda trabalhando e batalhando por mim e pelas minhas filhas, fez tudo que podia para que nós fossemos felizes e quando tudo se acalmou você se foi... ah mãe... agora que era hora da gente viver mais, sorrir mais, ficar mais tempo juntas... agora que tudo estava tranquilo e que poderíamos realizar todos os planos que tínhamos... você falou isso pra mim no hospital, que só queria viver para curtir as meninas, para ser a vovó que elas tanto amavam todos os dias o tempo todo e eu desejei tanto que isso fosse possível. Lembro que quando falei que era pra você melhorar e ir morar perto de mim você perguntou se eu achava que daria certo, se a gente não ia brigar... e eu percebi o quanto essas coisas do dia a dia são bobas e insignificantes... tudo que eu queria era você fora daquele hospital e pertinho de mim... Todo mundo manda eu parar de escrever, parar de chorar, mandam eu seguir a vida, ser feliz, e eu juro que to tentando mãe, tento todos os dias, todas as horas do dia eu vivo essa luta para sorrir e seguir a vida, mas é tão difícil, sinto tanta saudade de você... Tenho sentido medo, medo da doença do pai, medo de tudo piorar, medo de perder mais pessoas que eu amo, tenho sentido solidão, tenho me sentido perdida sabe... tem tanta coisa pra resolver, tenho que cuidar do pai lá e tem a vida das meninas aqui que precisa seguir e eu fico no meio do caminho e toda vez que vou embora me sinto fracassada... quando estou lá sinto que falto com elas e quando estou aqui sinto que falto com ele. Aqui a vida té pronta para viver graças a você e tudo que você me deu mas lá as coisas são difíceis de conseguir e eu não consigo solução... não tenho a certeza de nada e fico pedindo a Deus que me dê uma resposta pronta assim como você fazia mas a certeza nunca chega e eu fico no meio do caminho... Eu sei que você teria algo para me dizer, sei que de uma maneira ou de outra você me ajudaria a encontrar as respostas... mas você não está aqui e tudo fica triste e vazio. As meninas me alegram, o Fabio me ajuda, mas me sinto só sem você... minha amiga, minha mãe, a pessoa para quem eu ligava antes de tomar café, a pessoa que estava sempre por perto e pronta pra mim... Não sei ser com mais ninguém como eu era com você mãe, não consigo conversar com mais ninguém, me abrir com mais ninguém... Sou grata pela vida que você me deu, pelas meninas, pela minha família, mas falta um pedaço de tudo e por mais que eu tente não consigo preencher... Eu te amo mãe, sou tão grata por você ter sido minha mãe... Espero que aí do céu um dia você possa ler todas essas cartas, essas e as do caderno e espero que um dia eu possa ler as suas. Quero que você seja feliz aí, quero fazer tudo certo pra você se orgulhar de mim... nunca iremos esquecer você, as meninas lembram de você o tempo todo. Você se foi mas deixou um amor eterno pra mim e pra elas... Te amamos muito viu...

Nenhum comentário: