sexta-feira, 13 de junho de 2014

Orgulho de ser brasileira sim e sempre!

Espera um pouco gente... abertura de Copa do Mundo não é igual abertura de Olimpíadas, existe um padrão bem rigoroso a se seguir, número de pessoas e tal... não dá pra levar uma escola de samba pra cima de um gramado onde vai rolar um jogo de Futebol! Isso tudo é sim padrão FIFA (joga no Google e dá uma olhada)! Vi gente por aí comparando carnaval com abertura da copa, criticando sem saber... Gente, é tudo muito controlado para não prejudicar o gramado, tudo PADRONIZADO mesmo... se informem antes de falar tanta bobagem.

Não fizemos feio, não passamos vergonha, muito pelo contrário... as aberturas de Copa por aí seguem sempre essa linha. Claudinha Leite arrebentou sim, estava linda e não quis imitar ninguém, pelo amor né... ela nem precisa disso! É essa mania que algumas pessoas não abandonam de estar sempre criticando... tudo é feio, tudo é chato, tudo é bla bla bla... Aaah gente, para com isso, hora de protesto é na urna, nas conversas com seus filhos ensinando a construir um futuro melhor, nas pequenas atitudes que podemos mudar em nós mesmos... Arruma algo útil para fazer pelo Brasil ao invés de ficar aí sentado colocando a culpa de tudo na Copa!

Quanto ao tão homenageado coro para nossa presidente, aí sim eu digo que foi lamentável, triste de se ver... poderiam ter mostrado de outra maneira, escolhido melhor as palavras... pelo menos em respeito com o mundo que naquele momento estava reunido com sua família e filhos olhando com atenção para nosso Brasil. Um erro não justifica o outro. Palavrão não é bonito nem dentro de casa, muito menos na TV para o mundo todo ouvir! Roupa suja se lava em casa gente... Foi feio sim, desrespeitoso com o resto do mundo, inadequado e totalmente sem poder nenhum de mudança... Bastava um silêncio, talvez uma vaia na pior das hipóteses, mas palavrão não meu povo! 

Agora sobre o jogo mesmo eu não tenho nada a dizer, não entendo de futebol assim como a maioria não entende de copa do mundo nem de educação e por isso prefiro me calar... 

Mas o que digo é que me vesti sim de verde e amarelo, me reuni sim com minha família e amigos e foi muito divertido e alegre... me emocionei com o hino, gritei em cada gol, dei muita risada e passei bons momentos... Nada disso muda minha revolta com o governo, com a corrupção, com o abismo social, com a precária situação da educação, da saúde... com a violência... Amo meu país, amo o Brasil, acho brasileiro um povo forte, humilde, generoso. E só para deixar bem claro... isso é apenas minha opinião... por favor respeitem...

Espero que minhas filhas e meu filho guardem esses momentos com amor e orgulho, que elas não se esqueçam nunca que são brasileiras, que carreguem no peito o orgulho de nossa nação... que se tornem pessoas generosas e gentis como a maioria em nosso amado Brasil... e que daqui alguns anos saibam diferenciar as coisas, entendendo o verdadeiro motivo das manifestações e o verdadeiro motivo de nossas fotos em verde e amarelo... que elas possam compreender que uma luta contra um governo jamais é uma luta contra seu próprio país e seu povo!

#copa2014 #rumoaohexa #vai brasil





















sexta-feira, 6 de junho de 2014

Obrigada Jesus!

No hospital IBCC tem uma capelinha com uma imagem de Jesus na cruz, a capela é pequena e quase sempre estava vazia. Quando minha mãe foi para a UTI eu já não podia ficar ao lado dela o tempo todo, mas nos primeiros dias me recusava a ir embora, chegava pela manhã e passava o dia todo aguardando os horários de visitas... no começo eu ficava lá fora, andava pra lá e pra cá, depois ficava esperando na capela, todos os dias... o dia inteiro. Eu me sentava naquelas cadeiras e olhava para aquele Jesus e quando já não conseguia rezar eu apenas repetia "nos seus braços Jesus" e pedia que ele amparasse minha mãe e não deixasse que ela ficasse sozinha. Quando eu entrava pra ver ela, repetia a mesma frase o tempo todo pra ela ouvir e sempre dizia que se ela sentisse medo era para pensar assim também. Ela tinha 54 anos, era tão linda, jovem, alegre e cheia de vida, éramos como irmãs, inseparáveis, brigando ou rindo a gente estava sempre juntas, acho que nunca passamos um dia todo sem nos falar. Presente em todos os meus momentos, apoiando e me ajudando... me amando incondicionalmente...

No dia que ela partiu, quando abracei ela já sem vida, durante todo aquele dia tão triste enquanto cuidava de todos os detalhes, durante a noite e na manhã seguinte quando tudo acabou, eu continuava repetindo "nos seus braços Jesus, nos seus braços" o tempo todo, eu ficava pedindo que ela fosse amparada, que não sofresse, que fosse levada para um lugar bom e de amor... E mais tarde, quando o tempo passou e eu fui vivendo a ausência dela e percebendo como seria difícil sobreviver aquela dor, e quando meu pai adoeceu e eu entendi que o mesmo aconteceria com ele e quando novamente precisei ficar na porta de uma UTI, e quando cheguei e encontrei meu pai já sem vida... durante toda essa tempestade eu só conseguia repetir "nos seus braços Jesus" e essa frase passou a ser o meu refúgio, minha força... eu fechava meus olhos e repetia sem parar, lembrando daquele Jesus na Cruz que havia sofrido tanto apenas por amor a todos nós...

Ontem na palestra do Amor em Ação eu ouvi tanto sobre Jesus mas a frase que ficou no meu coração foi a de Jesus perguntando "Você me ama?" e eu chorei quando disse meu nome pra Ele, chorei quando percebi que já fazia alguns meses que não repetia a frase que me amparou nos momentos difíceis... A tempestade passou, o tempo passou e a vida me trouxe alegrias e paz e eu deixei meu amigo de lado... quanto tempo fazia que eu não fechava forte meus olhos e repetia "nos seus braços Jesus"... E minha vontade ontem, ouvindo sobre o amor do meu grande amigo Jesus era de gritar, de poder abraçar ele e dizer de todo meu coração "Eu te amo Jesus, te amo meu amigo, obrigada por tudo, perdoa meu egoísmo"...

No momento mais difícil, quando perdi minha mãe, meu pai, minha melhor amiga, quando ficamos sem chão, sem dinheiro, sem esperança, Ele estava lá comigo, me segurando no colo, me dando força, colocando anjos em meu caminho...  mas depois quando a vida tranquilizou e a chegada do meu filho me devolveu a alegria eu simplesmente deixei de conversar com ele... mantive minha fé e minhas orações, mas nunca mais havia me sentido tão próxima dele quanto ontem. No meio da palestra eu tive que levantar para fazer o Fabinho dormir e lá do fundo eu olhei para aquele salão tão conhecido e amado... e por alguns minutos eu me vi novamente naquela capelinha do IBCC, no velório da minha mãe, na despedida do meu pai, no adeus a minha amiga e irmã... me vi na estrada voltando para casa totalmente sem rumo, me vi deitada em minha cama banhada em lágrimas... e em todos esses momentos eu vi Jesus ao meu lado e ao lado dos meus pais...

Ele me carregou nos braços, carregou minha mãezinha para o céu sem dores, carregou meu paizinho querido e minha grande amiga... Ele nunca abandonou nenhum de nós e permaneceu secando nossas lágrimas em todos os momentos... E eu chorei... chorei de gratidão, de felicidade, de amor, chorei por estar ali naquele momento, por ter a oportunidade de ser lembrada, por ter a certeza de que tudo é lindo ao lado de Jesus...

Hoje eu queria escrever, queria deixar aqui meu testemunho para quem quiser ler... Dizer que existe um Jesus que é amigo, que é companheiro, que nunca nos abandona e que ele se alegra com nosso amor... e se você leu até aqui faça como eu e repita mil vezes "Eu te amo Jesus". Não deixemos a fé apenas para os momentos difíceis... essa foi minha lição de ontem...

quinta-feira, 5 de junho de 2014

A verdadeira amizade...

Julgamos porque achamos que conhecemos o outro, porque achamos que conhecemos os fatos, porque achamos que conhecemos as verdades ocultas em cada olhar e palavra...mas na verdade o que conhecemos é apenas o que observamos em nosso mais íntimo sentir. Quanta falta de carinho contem um ato de julgamento, quanta falta de amizade contem uma palavra austera... E o pior de tudo isso é que na maioria das vezes o julgamento nasce exatamente disso... dessa falta de conhecer o outro, na falta de profundidade no olhar para o outro... Quase sempre julgamos e condenamos algo que nem existe, baseamos o julgamento no que ouvimos ou imaginamos ouvir e nem nos damos o trabalho de procurar saber se é real. Voltando o olhar para nós mesmos fica simples entender... para agora e pense... quem realmente conhece você e sua vida a ponto de poder julgar seus atos e sentimentos ? Quem conhece seus caminhos e seus atalhos, quem sabe dos seus dias de luta, do nó na garganta, do que te faz feliz ou do que te faz chorar... quem são as pessoas que viveram com você toda sua trajetória, quem estava lá quando você precisou... Quem conhece seu olhar mais profundo, quem sabe traduzir seu silêncio... Quem conhece seus fantasmas, aqueles pensamentos mais amargos que você luta para esquecer, quem reconhece suas qualidades ainda que você passe a vida tentando esconder? Quem sabe qual é o sorriso forçado, qual é o silêncio imposto, quais são os sonhos perdidos ao longo do caminho... Quem realmente te olha e procura te entender, te aceitar e te amar exatamente como você é... A estrada de cada um de nós é bem maior do que a maioria possa compreender, a luta diária de cada um de nós é bem mais densa do que o breve olhar do outro queira ver... É mais fácil julgar e fechar a porta, é mais simples dizer adeus e justificar esse adeus em diferenças intransponíveis que quase sempre são inventadas deliberadamente e que jamais existiram verdadeiramente no outro. O verdadeiro amigo se mantém em seu pior momento, ele permanece na sua pior queda, ele te acolhe em seus piores erros, ele te apoia nos maiores tropeços...e quando ele achar que a direção está ficando perigosa ele te chama com amor e busca te guiar... A austeridade não cabe na amizade, a crítica desmedida, a falta de gentileza não cabe na amizade... Verdades podem ser ditas e mostradas em um abraço acolhedor, em um papo íntimo, em um olhar mais prolongado mas jamais no elevar da voz, jamais no apontar de dedo, no cutucar a ferida... O amigo não precisa somar nem dividir, ele só precisa estar lá... e esse com certeza não vai te julgar, ele pode no máximo ficar bravo com você em determinado momento... mas como uma mãe faz com um filho, ele permanecerá por perto e pronto para um abraço... porque o verdadeiro amigo conhece seus defeitos e não se importa com eles, conhece suas birras, suas teimosias, suas loucuras... O que é de verdade é eterno, o que for de mentira no primeiro sufoco se desfaz... Porque nem todo mundo tá pronto para o seu pior, nem todo mundo está disposto a segurar a barra com você, nem todo mundo tem carinho suficiente para entender seu tempo, nem todo mundo saberá olhar verdadeiramente o que você esconde quando está perdido ou sem força... Poucos vão conseguir passar pelo inferno com você e sair com você de lá, poucos vão aceitar sua falta de paciência, sua falta de clareza, sua falta de fé nos momentos de escuridão... A grande maioria vai preferir o mais fácil, o mais comodo, o mais tranquilo e seguro... a maioria vai te julgar, te condenar e justificar essa falta de amizade na sua falta do momento... para esses um erro pode ser fatal, para esses o perdão não consegue ser real... Eu já me perdi muitas vezes e já me refiz muitas outras, já olhei em volta sem saber como agir, já sentei no chão sem saber para onde ir e foram nesses momentos que reconheci meus verdadeiros amigos... Sou grata pelos que permaneceram mesmo quando eu mesma não permanecia em mim, sou grata pelos que souberam entender meus momentos de fraqueza, meus momentos de ira, meus momentos de solidão e isolamento... E agradeço aos que se foram mas que de alguma maneira me ajudaram a crescer e entender que tudo nessa vida passa. Antes de julgar o outro, procure conhecer verdadeiramente sua vida, sua história, seus motivos... não se torne mais um espinho, mais uma tristeza... seja bálsamo que cura, perfume que tranquiliza, música que alegra... e se não puder ser o bem ao menos não seja o mal... Aqui, agora, nesse mundo, ao menos nessa vida... estamos todos no mesmo barco! Ninguém é melhor que ninguém! Olhe para você e tente imaginar sua vida se todos te julgassem com a mesma facilidade que você julga o outro...

quarta-feira, 4 de junho de 2014

O verdadeiro espírita.


Li esse texto e achei fantástico, é exatamente o que ouvimos toda semana nas palestras e o que encontramos nos livros... Parece simples mas na realidade da vida vemos que não é tão fácil. Esses dias ouvi um palestrante dizer que se alguém quisesse praticar a caridade deveria antes se voltar para seus próximos e por ali iniciar seu trabalho.

Ser caridoso com o desconhecido que em nada nos incomoda é fácil, difícil é ser gentil, amoroso e carinhoso com aquele irmão que está ao nosso lado todos os dias, com aquele que é diferente, com os que discordam, com os que nos conhecem os erros e acertos... O verdadeiro espírita sabe que está muito longe da caridade verdadeira, sabe e reconhece que está apenas no início da escada, sem nem ao menos subir o primeiro degrau...

Ser bondoso dentro da igreja, dentro de um templo, dentro de um centro, dentro de uma casa espírita e virar as costas para seu irmão que está passando por um momento de dificuldade é o mesmo que nada para a espiritualidade, nós aqui na Terra chamaríamos de hipocrisia pois sabemos melhor do que ninguém julgar... mas do lado de lá esse tipo de atitude não é levado em conta, simplesmente se perdem em meio a multidão de pessoas que desconhecem nossa verdadeira pequenez...

Dar o alimento, pagar o dízimo, visitar um orfanato ou asilo... é tudo muito válido, mas de nada adianta se para aquele que está ao seu lado você não oferece uma palavra amiga ou uma mão salvadora... Quantas vezes vemos pessoas ditas caridosas saindo do seio de sua família, deixando para trás irmãos necessitados de amor, paciência, cuidado e carinho para se juntar ao seu templo em visitas planejadas a casas de apoio, hospitais etc... Muito bonito aos olhos dos homens orgulhosos de seus esforços que estão sendo mostrados a todos mas muito triste para aquele que em casa sozinho se questiona o porque do desamor...

Chico Xavier certa vez, saindo com um grupo para alimentar os pobres, parou por um longo tempo para ouvir um pedinte contar piadas, o pobre homem perdido nas drogas e no alcool para os outros do grupo parecia perda de tempo, não era digno da atenção do Chico... mas ao se afastar ele simplesmente disse "a verdadeira caridade de hoje já foi feita" ... Quantas vezes viramos as costas para o outro no momento em que mais precisam, quantas vezes deixamos de estender a mão, deixamos de dar um abraço, quantas vezes no pior momento de alguém nos tornamos mais um espinho ao invés de ser bálsamo que alivia...

Acho fácil amar os que a mim se juntam na casa espírita, fácil amar aquelas pessoas que pra mim são perfeitas, que se abraçam, que cuidam de mim, que nunca me negaram uma palavra, que nunca me julgaram, que nunca me abandonaram independente de eu estar certa ou errada... Fácil me encontrar ali onde todos conhecem meus erros e ainda assim parecem não se importar, onde tudo é perdoado e esquecido, onde o amor e a energia do bem parece manter a gente em total comunhão com a espiritualidade. Difícil é amar o próximo mesmo, os que dividem conosco os dias, as horas, as festas... os que se julgam superiores, os que desprezam os sentimentos, os que apontam o dedo e condenam sem misericórdia cada ato falho seu... Ah como é difícil manter a energia do bem, como se torna penoso a troca... e são nesses que encontramos nosso verdadeiro eu, é exatamente nessas situações que podemos ver com clareza todos nossos verdadeiros sentimentos tão pequenos e distantes do que aparentamos ser...

Acredito que a missão do verdadeiro espírita seja com sua própria melhora, com sua reforma íntima diária e constante, com a busca do perdão, com a busca do reencontro, com o desejo ardente de superar seus próprios erros...

Primeiro comigo mesmo, depois com os que habitam em meu lar, então estendo isso para minha família e amigos e só então terei verdadeiro amor para distribuir pelo mundo... Qualquer etapa pulada quebra o ciclo do amor e se transforma em atos de orgulho e vaidade.

E que fique claro que não escrevo por experiência própria, não aprendi ainda a lição... vivo em constante cuidado com meus próprios erros e em constante busca de novos acertos. Conhecer a lição nem sempre é saber fazer a lição, na prática as palavras se perdem e a atitude vai ficando para depois... mas ao menos não me coloco em pedestal de santidade e posso dizer com todo o coração que jamais virei as costas para quem quer que fosse.

Esse próprio desabafo nada mais é que um ato falho meu, um ato de julgamento que poderia muito bem ter silenciado... mas que fique para os que aqui chegarem como um aviso de cuidado, um motivo pequeno para se raciocinar sobre o que estamos fazendo verdadeiramente de nossos dias nesse mundo...

Não sei a autoria do trecho desse texto abaixo, mas foi tudo isso que ele me trouxe ao pensamento, que fez aflorar em meu íntimo... O quanto estamos distante de nossos títulos e pompas, o quanto ainda enganamos a nós mesmos por pura vaidade e orgulho...

"Há pessoas que entendem a prática da Doutrina apenas no exíguo espaço do Centro Espírita. Quando estão no mundo, na profissão, na família, numa festa, nas relações sociais, agem como se não fossem espíritas. Mas o compromisso educativo existencial do adepto do Espiritismo é justamente ser em qualquer lugar e a qualquer hora um elemento de influências positivas, um pólo de transformação do ambiente.

Sem prepotência, sem austeridade excessiva, sem pretensão à verdade absoluta, sem autoritarismo, como quem passa e serve, o espírita deve fazer brilhar seu empenho em ser melhor, sua fidelidade aos princípios éticos fundamentais, sua sede intelectual. . . procurando partilhar sua chama interior! "